Receba todas as nossas novidades e conteúdos exclusivos

Início Conteúdos > Série Naturalistas > Eugenius Warming

João da Silva
Eugenius Warming                                    Postado dia 01/04/2021Botânico e naturalista dinamarquês conhecido como um dos fundadores da Ecologia Vegetal. Em sua viagem para o Brasil, estudou a vegetação do Cerrado brasileiro.









Que as paisagens naturais do Brasil são verdadeiros colírios aos olhos, você já sabe, né? Mas imagina a beleza destes lugares séculos atrás, antes da acelerada degradação ambiental que temos experimentado… além destas paisagens diferentes, guardiãs de uma fauna e flora diversas, a própria experiência de viajar para conhecer e testemunhar paisagens tão belas incentivou muitos pesquisadores a sair da Europa para visitar lugares como o Brasil. Carl von Martius, por exemplo, escreveu:

"O peregrino sente-se aqui ao mesmo tempo elevado e inquieto. Os horrores da solidão destas sombrias trevas da floresta unem-se ao gozo duma contemplação tão estranha, e com a admiração e a veneração do Onipotente que criou aqui, diante dos nossos olhos, um novo mundo, que nos fala em linguagem antes nunca sentida e nos revela com magia, mesmo na vida modesta do silencioso reino das plantas, o vigor e a majestade de sua criação."
(Martius, 1943 citado por Kury, 2001)

Essa natureza de beleza intrínseca atraiu diversos naturalistas, dentre eles está Eugenius Warming, nascido em 1841, na Dinamarca. Warming iniciou, em 1859, sua vida acadêmica na Universidade de Copenhague, coincidentemente no mesmo ano em que Darwin publicou sobre a origem das espécies. Logo após se formar, Warming foi convidado a viajar para o Brasil, o que representou um marco extremamente importante para sua carreira.


Série Naturalistas - Warming
Em 1863, com 22 anos, Warming chegou ao Brasil, para trabalhar como secretário de Peter Lund (famoso naturalista dinamarquês considerado pai da paleontologia no Brasil), em Lagoa Santa (MG). Durante sua estadia, Eugenius se dedicou ao estudo da vegetação do cerrado brasileiro e ao impacto das queimadas sobre esse Bioma.

Seus estudos foram enriquecidos com registros das características marcantes da vegetação em um diário, onde Warming escrevia suas impressões e desenhava as paisagens dos lugares por onde passava. Suas viagens eram, ainda, documentadas através de uma máquina fotográfica que capturava, com maior precisão, a singularidade da vegetação brasileira. Abaixo, um trecho demonstrativo de sua narrativa durante uma viagem pela Serra da Mantiqueira - cadeias rochosas que se estendem por Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro:

Série Naturalistas - Warming
"Após duas a três semanas, o caminho tornou-se mais abrupto, subindo cada vez mais. Estávamos, então, na parte da Serra do Espinhaço, conhecida como Serra da Mantiqueira. Assim que chegamos ao ponto mais alto, voltei-me e olhei para trás. Sob meus olhos, estendia-se uma imensa paisagem onde se sucediam cumes recobertos por florestas de um verde um pouco pálido.
Ao alcançarmos as terras altas, a natureza se transformava totalmente, de um modo estranho. De fato, a região continuava cheia de vales e bastante irregular, mas se tornava cada vez mais deserta. Só havia florestas nos vales, às margens dos rios, enquanto as partes mais altas apresentavam-se cobertas de gramíneas e de plantas herbáceas, entre as quais se espalhavam pequenas árvores.
Os brasileiros chamam esta paisagem de Campo, isto é, campo de gramíneas: os espanhóis a chamam Savana."
Eugen Warming e o cerrado brasileiro: um século depois / Aldo Luiz Klein (organizador). - São Paulo: Editora UNESP; Imprensa Oficial do Estado, 2002.
Série Naturalistas - Warming
Após 3 anos no Brasil, Warming voltou para a Europa. Seus estudos foram publicados e começaram a repercutir até mesmo no Brasil, após sua tradução. Um de seus trabalhos, o livro intitulado “Populações vegetais: fundamentos da geografia ecológica das plantas” (1895), o fez entrar para a história, como um dos fundadores da Ecologia Vegetal. Ainda aos 32 anos, ele se tornou professor na mesma Universidade em que estudou, chegando também a trabalhar como diretor do Jardim Botânico de Copenhague.

As análises do botânico dinamarquês foram tão importantes que eram usadas como referência no estudo do cerrado brasileiro aproximadamente até 1943, quando o Bioma foi estudado por botânicos da Universidade de São Paulo que chegaram a algumas conclusões diferentes das de Warming. Dentre as divergências, estava a capacidade de retenção de água do solo, um tópico que angariou bastante investimento, sobretudo no século XX, devido ao interesse econômico na região, caso fosse possível utilizá-la para produção agrícola.

Por aqui, Eugenius Warming é tão importante que intitulamos até eventos em sua homenagem! Não perca essa oportunidade e venha dar uma olhadinha nesses dois vídeos que separamos para você, ambos da Bocaina Biologia da Conservação:



                                                                                                                               Texto de Isabella Azevedo

Lorem ipsum dolor,sit amet consectetur adipisicing elit.






  • O biólogo Rafael Loyola, do Laboratório de Biogeogerafia Evolutiva da Universidade Federal de Goiás, fala sobre modelagem e distribuição de espécies em função de mudanças climáticas.
Philip Fearnside, pesquisador do INPA e ganhador do Prêmio Nobel da Paz de 2007, fala sobre suas contribuições na obtenção e disseminação de importantes conclusões sobre as mudanças climáticas desencadeadas pela atividade humana.

Lorem ipsum dolor,sit amet consectetur adipisicing elit.

Referências:

> A Canção das Palmeiras: Eugenius Warming, um jovem botânico no Brasil

> Eugen Warming e o cerrado brasileiro: um século depois / Aldo Luiz Klein (organizador). - São Paulo: Editora UNESP; Imprensa Oficial do Estado, 2002.

> Kury, L.: "Scientific travellers in eighteenth-century Brasil: their experience, reports and graphic representations". História, Ciências, Saúde - Manguinhos, vol. VIII (suplemment), 863-80, 2001. <https://www.scielo.br/pdf/hcsm/v8s0/a04v08s0.pdf>

> SILVA, Claiton Márcio da. A face infértil do Brasil: ciência, recursos hídricos e o debate sobre (in)fertilidade dos solos do cerrado brasileiro, 1892-1942. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.26, n.2, abr.-jun. 2019, p.483- 500.

QUEREMOS OUVIR DE VOCÊ

1
Clique em "Curtir" e seja notificado sobre nossas novidades
2
Inscreva-se e seja notificado quando postarmos mais vídeos
3
Deixe sua dúvida ou comentário!