Receba todas as nossas novidades e conteúdos exclusivos

Início > Conteúdos > Ciência em Ação > Laços históricos da humanidade com a eugenia

Laços históricos da humanidade com a eugenia
Por: Monica Piccinini
Postado dia 10/08/2021
Escritora freelance, interessada nas áreas de ciência, meio ambiente, saúde e direitos humanos. Higher National Certificate e Higher National Diploma em Desenho Gráfico pelo Brooklands College. Certificado de Inglês e Jornalismo, University of Pennsylvania. Certificado de Química e Saúde, The Johns Hopkins University. Trabalhou na área de recursos humanos e contribuiu com artigos sobre o Brasil para o jornal britânico Byline Times. Mantem um blog baseado em questões sobre o meio ambiente, saúde e direitos humanos.









Nos últimos anos, o mundo e seus principais Estados-nação parecem ter experimentado uma mudança fundamental no pensamento social. Evidenciado pela reversão da globalização para o isolacionismo, o afastamento da liderança política para o populismo e o afastamento da verdade para o uso em massa de informações incorretas para ganho político, controle e poder.

Com essas mudanças no pensamento social, as principais democracias viram o preocupante aumento de uma série de sintomas consequentes: o movimento de extrema direita, a supremacia branca, o uso generalizado de desinformação, discriminação, xenofobia, desigualdade, misoginia, homofobia, extremismo, racismo, negação , e violência.

Essa mudança fundamental é algo novo na sociedade ou é ela própria o resultado de ações e sistemas de crenças que se originaram no passado distante? Um excelente documentário de 2019 na BBC, “Eugenics: Science’s Greatest Scandal”, apresentado pela jornalista e autora científica Angela Saini, e o ator, apresentador e ativista Adam Pearson, me inspirou a escrever este texto.

Boas intenções socialmente ou não?

Eugenia (a palavra originada do grego para 'bom estoque' ou 'bem nascido'), o termo usado pela primeira vez para descrever um movimento pelo Francis Galton, explorador britânico e cientista natural, por volta de 1870, é a prática ou defesa do controle da criação seletiva de seres humanos para melhorar a composição genética da população. A Eugenia encorajou as pessoas mais valiosas da sociedade a procriar e desencorajou aquelas que considerava menos aptas.

O mundo talvez tenha experimentado inconscientemente os ideais "eugênicos" ao longo de seus últimos 150 anos de história, com a eugenia apresentando-se em alguns dos eventos históricos mais terríveis do mundo.

Parece que a eugenia continua a ter uma influência nas políticas criadas pelos governos de hoje e ainda mais preocupante é seu ressurgimento em certos aspectos da comunidade científica. Combinados com os recentes avanços tecnológicos da ciência genética, os efeitos sobre o futuro da humanidade podem ser dramáticos e irreversíveis.

Francis Galton, primo de Charles Darwin, foi um estatístico excelente (descobriu correlação e regressão à média), tendo contribuído também nas áreas de meteorologia, antropologia, geologia, biologia, psicologia e psicometria. Ele foi altamente inspirado por "A Origem das Espécies" de Darwin (1859) e dedicou seu trabalho ao estudo de características herdadas na sociedade humana. Na opinião de Galton, os melhores bebês vinham de pessoas inteligentes e bonitas.

É difícil saber se o trabalho de Galton foi malévolo em sua essência, no entanto, a eugenia lançou as bases para um dos capítulos históricos mais terríveis do mundo, o projeto genocida nazista e programas de esterilização em todo o mundo, bem como programas de eutanásia e Aktion T4, colonialismo , assassinato em massa e opressão racial.

Recentemente, a University College London (UCL) se desculpou publicamente por ter desempenhado um papel na promoção da eugenia no passado por ter ligações com eugenistas como Galton. Francis Galton financiou uma cátedra de eugenia na universidade, o Laboratório Francis Galton de Eugenia Nacional, onde o foco não era apenas a deficiência, mas também a raça.

De acordo com um relatório recente da Reuters, o estado da Califórnia concordou em indenizar todos os cidadãos que foram esterilizados à força sob as leis antigas, destinadas a pessoas que foram consideradas impróprias para ter filhos entre 1909 e 1979.
Atrocidades influenciadas por eugenistas como Galton foram cometidas em todo o mundo. No início dos anos 1900, as forças imperiais da Alemanha, chamadas Schutztruppe, assassinaram cerca de 80.000 indígenas (Herero e Nama) no sudoeste da África (Namíbia hoje), um dos primeiros genocídios do século 20. Experimentos médicos foram realizados onde pessoas foram injetadas com os vírus da tuberculose e varíola, e crânios decapitados foram medidos.

O protegido de Galton, Professor Karl Pearson, foi um matemático e bioestatístico inglês e o primeiro presidente da eugenia nacional após a morte de Galton. Ele era um anti-semita e considerava a população judaica como física e mentalmente inferior, e que a solução para a decadência da população britânica era parar a imigração judaica.

“Se você quer saber se as raças inferiores do homem podem evoluir para um tipo superior, temo que o único caminho seja deixá-los lutar entre si, e mesmo assim a luta pela existência entre indivíduo e indivíduo, entre tribo e tribo , pode não ser suportado por essa seleção física devido a um clima particular do qual provavelmente dependia tanto do sucesso do ariano.” - Karl Pearson (1901) .

Em 1910, Winston Churchill tornou-se secretário de Estado da Grã-Bretanha e também foi considerado um forte defensor da eugenia.

"Não admito, por exemplo, que um grande mal foi feito aos índios vermelhos da América ou ao povo negro da Austrália. Não admito que um mal foi feito a estes pessoas pelo fato de que uma raça mais forte, uma raça de nível superior, uma raça mais sábia do mundo, para colocar dessa forma, entrou e tomou seu lugar ”, palavras de Churchill em 1937 à Comissão Real Palestina .

É interessante ressaltar que a eugenia ainda se reflete em algumas partes da sociedade atual. Um exemplo disso são os exames “11-plus” que ainda estão sendo usados em algumas escolas inglesas e produto do trabalho de Cyril Burt. Burt era psicólogo educacional e professor na UCL, trabalhava em estreita colaboração com o governo britânico. Ele acreditava que a inteligência era inata e que os filhos de pais ricos se saíam melhor do que os pobres, principalmente porque seus pais eram considerados mais inteligentes.

Até hoje, algumas escolas no Reino Unido ainda realizam o regime de teste de “11-plus”, uma experiência dura e injusta para alunos de 11 e 12 anos, e os resultados podem ser traumáticos, pois alguns dos alunos que não têm um bom desempenho são convidados a mudar de escola.

Outro nome famoso a entrar na lista da eugenia foi a conhecida Marie Stopes, feminista, autora, ativista pelos direitos das mulheres e paleobotânica treinada. Ela abriu a primeira clínica de controle de natalidade da Grã-Bretanha. Stopes também era uma eugenista e defensora da reprodução seletiva controlada, exigindo que os “podres e com doenças raciais” fossem esterilizados e se opusessem ao casamento inter-racial.

Stopes era casada com Reginald Ruggles Gates, um antropólogo, botânico, geneticista e eugenista canadense obcecado pela cor da pele. Gates acreditava que os afro-americanos eram uma raça mentalmente inferior e que o casamento entre raças era a causa de algumas deficiências.

A eugenia também influenciou muitos programas de esterilização em todo o mundo. Após a Segunda Guerra Mundial, políticas de esterilização foram aplicadas em muitos países para melhorar a pureza racial. Em 1975, pressionada pelo governo americano (Lyndon B. Johnson), a primeira-ministra indiana Indira Gandhi, com a ajuda de seu filho Sanjay, embarcou em um programa de esterilização em massa, considerado uma das violações de direitos humanos mais preocupantes que o país já teve. Como resultado, em 1977, mais de 8 milhões de pessoas na Índia foram esterilizadas.

Alguns políticos, cientistas e acadêmicos em todo o mundo continuam a valorizar e apoiar o pensamento eugênico. Em 1974, o político conservador sênior britânico, Keith Joseph, disse em um discurso , “o equilíbrio de nossa população, nosso estoque humano está ameaçado”, significando que os pobres estavam se reproduzindo rápido demais, e o perigo era que eles inundassem todos os outros.

“Se não estivermos preparados para prever e intervir muito mais cedo do que há crianças que estão crescendo, em famílias que sabemos que são disfuncionais, então as crianças daqui a alguns anos serão uma ameaça para a sociedade”, disse Tony Blair, ex-primeiro-ministro da Grã-Bretanha.

No Reino Unido, há temores crescentes sobre a implementação de uma nova legislação pós Brexit. Um exemplo disso é o projeto de lei recentemente apresentado que permitiria as autoridades processar criminalmente e prender por até cinco anos requerentes de asilo que sejam interceptados tentando entrar no Reino Unido sem permissão.

Muitos outros países em todo o mundo apoiaram e adotaram o pensamento eugênico, incluindo o Brasil. Na primeira metade do século 20, o Brasil debateu a esterilização dos “indesejáveis” para melhorar a raça. O Brasil não aprovou nenhuma lei de esterilização, no entanto, nas décadas de 1920 e 1030 as discussões sobre o assunto estavam entre médicos, intelectuais, políticos e eugenistas. Durante o governo Getúlio Vargas, novas políticas de imigração foram aprovadas, impedindo a entrada de imigrantes considerados racialmente inferiores. Um programa de esterilização nunca foi implantado no Brasil, por ser considerado uma violação da forte tradição católica do país.

Recentemente, em uma transmissão de áudio, um professor da faculdade de medicina da Universidade Federal de São Paulo, Unifesp, mencionou que os negros e os indígenas eram “atrasados culturalmente”, tentando explicar a noção de raça pura.

Os Bebês Geneticamente Modificados…

Conforme a tecnologia da ciência genética avança, as portas podem se abrir para novas formas de eugenia de alta tecnologia por meio da edição do genoma humano, como CRISPR (a técnica que permite a edição precisa do DNA desenvolvida pelos cientistas Emmanuelle Charpentier e Jennifer A Doudna em 2012). Isso criaria uma sociedade não-receptiva e mais discriminatória. O filme “Gattaca” de 1997 expôs vislumbres de como nosso mundo poderia ser se dermos os passos errados em direção à modificação genética, que dividirá a humanidade contra si mesma.

Hoje em dia, tem-se a opção de selecionar embriões sem um gene defeituoso e implantá-los no útero da mãe. O diagnóstico genético pré-implantação, PGD, é uma técnica que envolve o teste de células de embriões criados fora do corpo por fertilização in vitro para um distúrbio genético. Os testes são realizados para uma doença específica onde os embriões correm risco significativo de herdar.

A pioneira do CRISPR e ganhadora do Nobel, Jennifer Doudna, disse em seu livro sobre edição do genoma : “o poder de controlar o futuro genético de nossa espécie é incrível e assustador. Decidir como lidar com isso pode ser o maior desafio que já enfrentamos ”. Doudna continuou dizendo: "nesse momento, não temos a capacidade de controlar os resultados da edição de uma forma que seria segura em embriões ... É muito difícil saber como essas edições afetarão de fato os resultados da saúde dessas crianças."

A Organização Mundial da Saúde lançou recentemente dois novos relatórios fornecendo recomendações para ajudar a estabelecer a edição do genoma humano como uma ferramenta para a saúde pública, com ênfase na segurança, eficácia e ética.

“A edição do genoma humano tem o potencial de avançar nossa capacidade de tratar e curar doenças, mas o impacto total só será percebido se a implementarmos para o benefício de todas as pessoas, em vez de alimentar mais desigualdades de saúde entre e dentro dos países”, mencionou o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor-Geral da OMS .

De acordo com Stop Designer Babies, os relatórios da OMS sobre a edição do genoma humano gastam muitas palavras para não dizer nada de concreto e falham em recomendar a solução óbvia para os riscos da criação não regulamentada de bebês geneticamente modificados. A solução óbvia, de acordo com o SDB, seria proibir totalmente a engenharia genética da linha germinativa humana. Editar o genoma humano pode levar a consequências indesejadas e pode levar a uma sociedade ainda mais dividida e injusta.

Em 2018, um evento específico chocou o mundo quando o cientista chinês, He Jiankui, anunciou que havia alterado o DNA de bebês gêmeos com a intenção de evitar que contraíssem o HIV. O resultado foi Lulu e Nana, nascidas não imunes ao HIV. Em vez disso, ambos receberam acidentalmente versões do CCR5 que são inventadas e não existem em nenhum outro genoma humano no mundo. Suas alterações genéticas ainda são hereditárias e podem ser transmitidas aos filhos. Jiankui também infringiu a lei falsificando documentos e enganando os pais dos bebês sobre os riscos envolvidos. He Jiankui foi condenado a três anos de prisão por realizar “práticas médicas ilegais”.

Sinais claros de instabilidade e divisão social, econômica e política mundial mostram que, como sociedade, estamos nadando em águas muito perigosas.
A pandemia de Covid-19 apenas exacerbou os problemas existentes em nossa sociedade. Os países se retraíram, adotando visões protecionistas e uma mentalidade colonial, criando, portanto, mais muros e discriminação.

É essencial para a nossa sociedade abraçar uma abordagem compassiva, justa e ética em relação as decisões que estão sendo feitas sobre como nascemos e como vivemos nossas vidas. É urgente que um quadro legislativo seja estabelecido pelos líderes mundiais, com o objetivo de proteger os mais vulneráveis na nossa sociedade. Devemos assegurar de que os crimes e erros terríveis cometidos no passado não voltem a se repetir. Isso definirá o futuro da humanidade.


Figura da capa adquirida no www.dreamstime.com

Lorem ipsum dolor,sit amet consectetur adipisicing elit.

Mais sobre a autora:

Link para LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/monicapiccinini
www.monicapiccinini.com
https://bylinetimes.com/author/monicapiccinini/