Receba todas as nossas novidades e conteúdos exclusivos

Início > Conteúdos > Ciência em Ação > Sustentabilidade e Tecnologias Agropecuárias

Sustentabilidade e Tecnologias Agropecuárias
Por: Lindomar de Jesus de Sousa Silva                        Postado dia 14/05/2021Sociólogo, D. Sc. em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido, pesquisador da Embrapa Amazônia Ocidental, Manaus, AM









desenvolvimento sustentável tornou-se, nas últimas décadas, um discurso dominante na esfera estatal e na sociedade civil, passando a orientar políticas, programas, planos e conteúdos institucionais que conduzem iniciativas e articulações nos mais diferentes níveis. A adesão ao desenvolvimento sustentável pode ser explicada, entre outras coisas, pelo desejo humano de dotar seus empreendimentos de metas em que a sustentabilidade econômica e sociopolítica passe a ter como parâmetro a sustentabilidade dos ecossistemas. O Relatório Brundtland definiu desenvolvimento sustentável como “satisfazer as necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades”.

As reflexões relacionadas ao desenvolvimento sustentável têm possibilitado um amplo debate sobre o tema, como também o surgimento de alternativas voltadas a recuperar e garantir a sociobiodiversidade, de formas peculiares de produzir e compreender a produção e seu propósito, de outras formas econômicas e de satisfação das necessidades básicas para viver em sociedade, e a consolidação de uma sociedade justa, solidária e sustentável.

O apelo da Organização das Nações Unidas nasceu na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, no Rio de Janeiro em 2012, expresso nos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), o qual chama para uma ação universal visando reduzir a pobreza, proteger o planeta e assegurar a prosperidade e a paz para todas as pessoas, e a superação dos desafios ambientais, políticos e econômicos urgentes enfrentados pelo mundo.
É fato que a emergência do debate relacionado ao desenvolvimento sustentável coloca na ordem do dia a necessidade de respeitar os limites dos biomas, o que também impõe a necessidade de superar modismos e marketing comercial, como também criar outras relações com os ecossistemas, estabelecendo maior cuidado com a biodiversidade, com o uso e manejo da água disponível, com as florestas, além de outros fatores que estão diretamente relacionados com o bem-estar da vida humana na terra.

Na busca por processos sustentáveis, a pesquisa agropecuária, realizada por diversas instituições, tem um papel importante com o desenvolvimento de produtos voltados a tornar as lavouras mais eficientes, ou seja, que ganham em produtividade e sustentabilidade econômica, social e ambiental. As tecnologias no campo têm contribuído para diminuir os impactos ambientais causados. Elas geraram menos desperdício, melhoraram a eficiência da utilização de insumos, reduzindo custos e aumentando a disponibilidade de alimentos. Eliseu Alves, um dos fundadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), diz que, no período entre 1995/1996 e 2006, o poder de explicação do valor da renda bruta agropecuária pela “tecnologia” passou de 50,6% para 68,1%; o da terra foi de 18,1% para 9,6%; e o do trabalho, de 31,3% para 22,3%. A “tecnologia” é mensurada considerando o valor dos insumos poupadores de trabalho e terra. É cada vez maior a busca por tecnologias pautadas pelo conhecimento ecológico e pela interação com o ambiente, como o avanço na internalização dos processos produtivos com o meio ambiente, internalizando técnicas de manejo integradas ao cuidado com solo, água e biodiversidade, superando a visão da monocultura, implantando modelos de cultivos diversificados, integrando agricultura, pecuária e floresta, rotativos ou consorciados, adequando-se às condições ambientais de cada bioma.
Imagem Bocaina

Imagens: https://images.app.goo.gl/zbw9Mnf1hSvPzhyM8
https://images.app.goo.gl/KTr91PsrYDkpE5ePA

As tecnologias estão contribuindo para a sustentabilidade na produção agropecuária. É preciso atentar para que ocorra o avanço da sustentabilidade social, que está relacionada à questão da vulnerabilidade da população rural, que no último censo agropecuário mostrou que 23,03% dos produtores (ou 1.164.710) declararam não saber ler nem escrever, e 2.029.613 persistem na pobreza e extrema pobreza rural. Portanto, para que a tecnologia contribua para a sustentabilidade, é essencial que o campo acesse políticas públicas e tenha investimentos em PD&I, além de condições para lidar com as mudanças globais, cada vez mais presentes e influentes em nossa sociedade.